Evangelização

Artigos

Perguntas e Respostas

Comentário sobre os temas nas respectivas postagens

Para outros comentários e sugestões clicar o link COMENTÁRIOS DIVERSOS

terça-feira, 14 de junho de 2011

O PADRE FÁBIO MELO ASSOMBRA À IGREJA CATÓLICA SOBRE O SÁBADO - ELE ESTÁ CERTO!!

            Calma! O título não é meu.
Assisti a um vídeo preparado por membro da Igreja Adventista (http://www.youtube.com/watch?v=nWQPqrsuD0E) que me foi recomendado por um amigo adventista que se empolgou com o tema.
Constatei o quanto quem reproduziu parcialmente a reflexão do Pe. Fabio foi maldoso e ardiloso. O titulo é sensacionalista.
Apesar das poucas partes reproduzidas foi possível notar que o Padre fazia uma reflexão onde, por  analogia, fez referencia a Lei do Sábado mas sem negar o dia do Domingo como de guarda.
Em certa altura da reflexão, o padre Fabio faz uma pergunta e apresenta resposta: “É certo trabalhar no sábado? Não! não é certo trabalhar no sábado. A lei nos diz que devemos descansar”. E em cima disso o site comemora com o título O PADRE FÁBIO MELO ASSOMBRA À IGREJA CATÓLICA SOBRE O SÁBADO - ELE ESTÁ CERTO!”
O Pe. Fabio apenas abriu um parêntesis em sua reflexão cujo tema era outro, citando essa parte do Antigo Testamento.
A Igreja Católica jamais negou que pelo Antigo Testamento, o dia de descanso fosse o sábado. O dia de domingo substituiu o sábado por iniciativa do próprio Cristo, depois continuado pelos apóstolos que estiveram lado a lado com Jesus e assim continua até hoje. Será que Jesus interpretou mal o sábado? Será que os Apóstolos erraram ao reservar o domingo como dia de descanso, oração e Eucaristia?
Afinal, vivemos na era do Novo Testamento.
Mas o que interessa é sobre o vídeo.
Fui procurar em outros sites a respeito, e encontrei num da própria Igreja Adventista http://preparacaoadventista.wordpress.com/2011/06/03/padre-fabio-de-melo-comenta-sobre-o-sabado-e-a-lei/    o vídeo completo e uma ressalva sobre o que de fato o Pe. Fabio quis dizer.
O Pe. Fabio estava respondendo a uma pergunta de alguém sobre o papel do advogado de defesa e acabou, para ilustração, citando a lei do sábado.
Falava sobre a lei e a moral, ou  a justiça e a moral. Nada a ver com o sábado.
Foi aí que, por analogia (ou comparação) O padre citou a questão do sábado. E não mentiu nem errou ao situar-se no antigo testamento.  
Mas o padre ressalvou que Jesus veio aprimorar a lei. E Jesus mostrou que embora o sábado fosse reservado para descanso, ninguém tinha o direito de deixar de praticar ações no sábado sob o pretexto da lei.
O próprio Jesus disse:  «O sábado foi feito para servir o homem, e não o homem para servir o sábado”. (São Marcos 2,27).
O vídeo apresentado com cortes, tem o único objetivo de causar confusão na mente dos incautos,  desvirtuando o verdadeiro sentido das palavras do padre. 
O próprio padre, no final diz: Não entendam mal as minhas palavras”.
Quando o padre falou, por exemplo,  em “regra burra”, não se referia a lei de Deus, mas a muitas regras humanas que efetivamente são burras e imorais. Exemplo: se a lei permitir o aborto, o aborto passa a ser legal, mas verdadeiramente,  imoral.
            O ex-presidente Lula não permitiu a extradição do assassino Cesare Battisti para a Itália. Ato legal, sim, mas profundamente injusto e até imoral, visto que ele tinha poderes e liberdade para autorizar a extradição a bem da justiça. 
Gostaria de lembrar que quando Deus criou o mundo não havia calendário. Não se falava nem em sábado, nem domingo. 
Somente na Bíblia, Antigo Testamento, principalmente no Gênesis escrito lá pelos anos 1.200 antes de Cristo, é que fala na criação do mundo em seis dias, com descanso no sétimo dia.  Será que Deus  cansou???
Imagine: O mundo existe ha bilhões de anos. Só o homem, ha 4 ou 5 milhões.
O que se entende na verdade, é que Deus criou o mundo em etapas que tanto podem ser contadas segundo os nossos critérios de 6 dias, como de séculos ou milênios. Quem sabe? E o que importa??
A palavra sábado surgiu muito, muito depois no vocabulário humano. E tem sua origem no hebraico: “Significado do Shabat. O nome do sétimo dia da semana é  derivado do hebraico - Shabat - que significa simplesmente "cessar de trabalhar". O Shabat não é somente um dia de descanso: é um dia de santidade, quando as pessoas podem, por um curto período de tempo, deixar de lado suas preocupações e objetivos materiais da vida, e devotar-se para a renovação espiritual e para a atividade religiosa”.
            A Igreja interpreta que o descanso deve recair num sétimo dia. E o Pe. Fabio, também.  Na verdade, poderia, em tese, recair sobre qualquer dia da semana.  Sábado ou domingo são dias bíblicos.  Por Jesus Cristo e a Igreja, ficou o dia de domingo como Dia do Senhor principalmente devido a Ressurreição de Jesus ter acontecido num domingo.
Aliás, quem trabalha por obrigação no domingo (ou no sábado adventista) não comete pecado mas deveria substituir esse dia por outro.
            Diga-se que, para quem guarda o dia de sábado deveria trabalhar no domingo, mas acaba "descansando" nos dois dias.
O assunto se estica como elástico.  
Se houver interesse em saber mais sobre o sábado ou domingo, leia no meu livro que se encontra no blog a disposição, clicando sobre a imagem do livro, e procure no item 26 sobre o assunto.
Diác. Narelvi.

45 comentários:

  1. "Mas o padre ressalvou que Jesus veio aprimorar a lei." como Jesus pode ter vindo aprimorar a lei se ele é a lei??

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela sua intervenção.

    Jesus é a lei porque Ele é Deus. E Deus tem os atributos da Onisciência, Onipotência e Onipresença. Deus é Deus e pronto. Completa-se por si mesmo. Quando se diz que Jesus é a lei, é porque ele personaliza tudo o que existe. Então Jesus é a lei, é o dia, é a noite, é as estrelas, é a natureza e tudo o que existe justamente porque tudo é inerente a Deus.
    Então não podemos dizer que Jesus é somente a lei, ou somente a natureza, ou somente qualquer outra coisa, porque, como Deus, tudo existe Nele. Mas, por favor, não confunda a natureza, a flor, os animais, os homens, etc. com Deus. Isto seria panteísmo.
    Jesus, como a segunda pessoa da Santíssima Trindade, não trouxe nenhuma lei, mas respeitou a Lei do Pai, e a aperfeiçoou, assim como aperfeiçoou o que os profetas ensinaram.
    A Lei, portanto, não é a essência de Deus.
    Deus estabeleceu a lei como uma necessidade material e humana, digamos assim, para colocar ordem na casa (ou nos homens).
    Fala-se pela primeira vez na Lei, no Pentateuco: É a Lei de Moisés (ou de Deus cf. Js 24,26), que se explica como sendo “o conjunto das leis e prescrições religiosas e civis colecionadas nos cinco livros de Moisés (Pentateuco), atribuídos a Moisés”. Considere-se como parte delas os Dez Mandamentos.
    A lei, portanto, não veio para criar dificuldades nem pecados, mas foi o jeito humano que Deus encontrou para resumir o que era certo ou errado, visto que o comportamento dos homens já vinha incidindo na prática do pecado. O pecado existia antes da Lei. Era preciso que de forma bem explicita o homem pudesse ter uma regra escrita para entender e respeitar a vontade de Deus. A própria Bíblia, com todos os seus livros, é uma Lei. Mas a Bíblia não é Deus, nem nasceu com Deus.
    Na verdade, Jesus veio a este mundo, não por preocupação com a lei ou com os profetas, mas com uma missão muito especial confiada pelo Pai: a de salvar a humanidade. E para essa missão, operou milagres, ensinou o amor, o perdão, a reconciliação, o arrependimento, falou sobre o Pai, mostrou-se como o caminho, a verdade e a vida afirmando que ninguém chega ao Pai senão por ele. E por uma necessidade didática e de justiça, Jesus achou por bem oferecer uma interpretação ou uma compreensão mais eficaz da lei. Foi assim que ele se pronunciou conforme está em Mateus, 5, 17-48.
    Quando Jesus relativizou o sábado, foi para mostrar que o respeito a esse dia de descanso não era tão absoluto ao ponto de, em obediência à lei, ou a pretexto da lei, deixar-se de praticar o bem ou de atender as necessidades emergenciais e que Ele, Jesus, também era o Senhor do Sábado (Mt 12,8), e que ninguém fosse julgado pelos outros por questão do sábado (Col. 2,16).
    Portanto, mesmo sendo Jesus, digamos, um protótipo da Lei, podia como de fato o fez aperfeiçoar a Lei.
    Finalmente, não foi o próprio Jesus que afirmou em Mt 5,17: “Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição”?
    Na paz de Cristo.
    Diác. Narelvi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Julgueis que vim abolir a lei... vim para cumprir.
      Deus é Deus, não precisou se séculos para criar o mundo e tudo o que nele há, Ele precisou de 6 dias, por que tudo foi feito por Sua palavra, e descansou sim no Sétimo Dia, o Sábado do Senhor Teu Deus, e quando a bíblia fala em seis dias ela está se referindo à dias literais. Eu não conheço e adoro um Deus que escreveu com seu próprio dedo numa tábua de pedra, que para quem conhece bem a história sabe que tudo que tinha que perpetuar era de costume na época escrever em pedra, não se apagaria com o tempo, que mais tarde viria e mudaria sob a justificativa de estar aprimorando aquilo que havia colocado como LEI.
      Quanta à citação do Pe. Fábio, não sei qual a intenção de ter dito, não vem ao caso, acho que o sr deveria ler o livro de Daniel, buscasse entender o que Jesus quis dizer ali. Peça para que Deus lhe dê sabedoria ao ler esse livro, o sr vai descobrir o porquê da mudança do dia de guarda para o domino, mas não foi feita por Deus e sim pelo papa da igreja católica.Daniel 8:19 a 26(Mudaria os tempos e a lei – o sábado da lei de Deus seria alterado por um outro dia de guarda, em obediência total ao poder do chifre pequeno. )pesquise e descubra quem a bíblia se referia ao falar do chifre pequeno.

      Excluir
    2. Prezado anônimo.
      Considero de minha parte o assunto SÁBADO já superado pelas respostas apresentadas, e você vem insistir na mesma coisa. Portanto, se o amigo não entendeu, paciência e que Deus o agracie com uma mente mais aberta para a realidade, e o retire desse fundamentalismo inculto. Por isso não repetirei as explicações sobre o sábado.
      Mas quero adverti-lo pela falta de conhecimento da história do mundo e da ciência da natureza, visto que está sobejamente provado que o mundo não foi criado em seis dias consecutivos de 24 horas. Nem a bíblia insiste que Deus fez o mundo de domingo a segunda feira. Também Deus não precisava “descansar”. Você faz idéia da idade do mundo? Ou quando o homem passou a fazer parte da criação? Ou você esta pensando que o mundo foi criado em época contemporânea ao Pentateuco?
      Nunca discordamos que Deus é o criador do Mundo (quem ensinou isto desde o principio foi a Igreja Católica), nem da pedra dos mandamentos, nem do sábado. Agora compreender tudo isso, é uma questão de formação e cultura religiosa, que não se aprende somente lendo e repetindo a bíblia como papagaio, mas recorrendo e aprendendo com exegetas bíblicos, teólogos, com estudo em livros de bons autores e principalmente orientando-se pelo magistério divino que Jesus confiou à Igreja entregue aos Apóstolos e seus sucessores, liderada por Pedro e todos os Papas.
      Com relação ao livro de Daniel você já demonstra o tamanho do seu equivoco referindo-se a Jesus como se Ele tivesse dito ou escrito alguma coisa no livro, pois Jesus nada disse no AT tendo sido revelado somente no NT onde se encontram seus ensinamentos apesar de ser ele o ponto central do AT e das profecias.
      Você demonstra também desconhecer sobre o surgimento do sábado, o que Jesus falava sobre esse dia, a adoção do domingo pelos Apóstolos, etc. e o Papa (da Igreja Católica como você disse) é o chefe escolhido por Jesus para dirigir sua Igreja (veja, não a de você), e tinha autoridade para confirmar o domingo (ele não criou o domingo, apenas confirmou).
      Com relação ao “poder do chifre” não explicado por você, recomendo ler todo o capitulo mencionado de Daniel e pedir a quem entenda para explicá-lo. Enquanto isto, leia a respeito no link http://macabeus.no.comunidades.net/index.php?pagina=1622715758_03
      Daniel 8, e você terá uma ótima aula, se conseguir entender, evidentemente.
      Devolvo as ironias para que você seja mais humilde e não se posicione como conhecedor exímio da bíblia (sabia que o diabo conhece a bíblia melhor do que ninguém e nem por isso acertou ou foi salvo? Sabia também que por causa da interpretação livre da Bíblia como se cada um fosse auto-suficiente é que vocês se separaram a dividiram-se entre si?).
      Aliás, veja a sua incoerência ao reconhecer que apesar da pedra “que não se apagaria com o tempo”, “mais tarde viria e mudaria sob a justificativa de estar aprimorando aquilo que havia colocado como LEI”. Pois bem! Foi o que aconteceu, não por decreto mas por atitude que Jesus aprimorou a lei quando relativizou o sábado e os Apóstolos sob a Luz de Cristo passaram a guardar o DOMINGO como o DIA DO SENHOR.
      Para terminar, já que você não teve coragem de esclarecer, se por acaso a sua intenção foi de atribuir ao Papa a expressão “chifre pequeno”, tome cuidado porque então você estará ofendendo a Cristo e por isto até poderá perder sua alma.
      E peço a Deus que continue me dando sabedoria para entender sempre mais o Projeto de Deus. E que ilumine e tenha misericórdia de você.
      Com Jesus e Maria.
      Diac. Narelvi.

      Excluir
  3. Olá, amigo
    A grande questão em tudo isso, é que entendo como aperfeiçoar a lei, é fazer da forma correta como DEUS ordenou e não como os fariseus guardavam, de forma extremista, exagerada e ainda eles colocavam outras leis associadas.
    No entanto devemos tomar muito cuidado ao interpretar a lei, porque não podemos nem tirar e nem acrescentar nada, pois assim perderemos nossa salvação.
    Com a união de constantino com a igreja, resumindo toda a história, a guarda do domingo foi inserida por causa do deus sol que constantino adorava, depois disso é que a igreja católica se utilizou dos textos Biblicos onde Jesus ressuscitou no domingo para alegar a mudança do dia de guarda.
    Dessa forma precisamos ser coerentes com a palavra de Deus, o sabado nunca foi mudado e nem abolido como muitos pregam, Cristo mesmo disse - " não vim para mudar a lei vim para cumprir" ou seja a lei de Deus nunca muda é eterna, na nova terra de acordo com apocalipse vamos guardar o sabado. Seria incoerente não guardar o sabado ja que está nos Dez mandamentos, é a unica lei das dez que as pessoas exitam em guardar, e lembrando que aquele que tropeçar em uma lei tropeçará em todas elas e ainda, os Dez mandamentos foram escritos com o dedo de Deus em pedras para que nunca fossem apagadas e esquecida.Orem pra que DEUS nos abra os olhos para verdade, paz seja convosco.

    ResponderExcluir
  4. Vamos lá, amigo anônimo. (PARTE I)

    Gostaria de saber o seu nome. Afinal, você me saudou como amigo! Mas, se não for possível, sinta-se a vontade para continuar como anônimo. Fico satisfeito assim mesmo. Compreenderei.

    Estava pensando: Que tamanho tem Deus pra você? O tamanho da Bíblia? O meu Deus é infinitamente maior, e certamente o teu também, pois que o nosso Deus é o mesmo. Devemos buscar a verdade através da Bíblia, sim. Mas procurar conhecimentos e reforços junto a outras fontes não desmerece a Bíblia, não desrespeita Deus, nem é pecado.

    “Há, porém, muitas outras coisas que Jesus fez e que, se fossem escritas uma por uma, creio que o mundo não poderia conter os livros que se escreveriam” Jo 21,25.

    O Domingo como o Dia do Senhor, iniciou com Jesus e os Apóstolos, nada tendo a ver com Constantino. Para compreender, bastaria sim a Bíblia. Mas outras fontes confirmam o Domingo, sem deixar reconhecer o Sábado do AT.
    Jesus é Deus. E ele relativizou o sábado. Ou Jesus não é Deus?

    Quando estava preparando a resposta, deparei com um blog católico http://wjac.blogspot.com/2011/06/desde-quando-igreja-guarda-o-domingo-ao.html esclarecendo justamente sobre o sábado, postado por Wilson Jose. Li e aprovei, e constatei que trata praticamente do mesmo assunto levantado por você. Por isto, resolvi adota-lo pela sua lição, firmeza e coerência cristã, que se completa tanto que resolvi empresta-lo como minha resposta. Vale a pena ler:

    Parte que trata do sábado:

    “Ok... Vamos então nos ater à questão do Sábado... Provavelmente você seja adventista do sétimo dia, não é mesmo?

    - É verdadeiramente interessante ver os seus argumentos para justificar o nome Sábado. Como bem disse o nome Sábado significa exatamente "repouso" e ainda estou de acordo que o Sábado aparece também a cada sete dias, assim como a 2ª a 3ª e até o Domingo!

    Não poderia deixar de ser interessante, pois estou me baseando na História (além da Bíblia, é claro...). Certamente não há como alterar a História passada, sendo ela fiel testemunha sempre que documentada...

    Mas o que nos diz o Mandamento? (Exodo 20:8-11) - Lembra-te do dia de Sábado para o consagrares ao Senhor... e no verso 11 termina, ... Por isso, o Senhor abençoou o dia de Sábado e declarou que aquele dia era sagrado. (Bíblia em versão corrente e c/ a licença da Conferência Episcopal Portuguesa - 1993).

    Até aqui, sem problemas...

    Como sabe, a estrutura do calendário semanal está estruturado até ainda hoje, na sua versão original do ciclo de 7 dias a terminar no Sábado. Já que como sabe, 2ª em qualquer parte do mundo vem sempre depois do primeiro (Domingo) e por aí além...
    No problems too... :)

    Mas não é por aqui que vou desmontar a sua tentativa de justificação da guarda do primeiro dia da semana em vez do dia Sagrado que é o Sabado.

    Vejamos, pois, os seus argumentos...

    - Estes mandamentos, inclusive o do Sábado, foram escritos com o próprio dedo de Deus sobre a pedra. "e os escreveu em duas tábuas de pedra" Deut. 4:13 (Trad. João Ferreira Almeida).

    Vamos pelo menos nos situar: você está falando da * Antiga Aliança * feita entre Deus e o povo hebreu; está tratando, mais precisamente do Decálogo, conforme você já se referiu um pouco mais acima...

    continua

    ResponderExcluir
  5. Vamos lá, amigo anônimo. (PARTE II - continuação)

    Fala-se desta Lei nas Escrituras como sendo "justa", "verdadeira", "boa" e "perfeita". "E sobre o monte Sinai desceste, e falaste com eles desde os Céus, e deste-lhes juízos rectos, e leis verdadeiras, estatutos e mandamentos bons." - Neemias 9:13. Ainda, " A Lei do Senhor é perfeita." Salmo 19:7(8).

    Quando a Escritura fala de Lei não está se referindo somente ao Decálogo, mas sobre o Pentateuco como um todo, incluindo as regras alimentares e cerimoniais (v., p.ex., Dt 12,1). Apesar desta observação básica, vamos, porém, continuar ouvindo as suas proposições...

    - Relativamente a Cristo, nunca foi Sua intenção alterar, revogar, destruir ou anular qualquer parte dessa Lei. - "Não cuideis que vim destruir a Lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir." S. Mat. 5:17.

    Não se esqueça, entretanto, que Aquele Mesmo que disse isso que você citou, também disse que era Ele "o Senhor do sábado", de maneira que tinha autoridade para mudar o dia se quisesse (como de fato quis). Por isso, São Paulo afirma com muita propriedade que a Lei (o que inclui o sábado) foi pregada na Cruz (cf. Col 2,14). Aliás, é de se observar que não existe uma só passagem no Novo Testamento que apresente como vital a observância do sábado, ao contrário do que acontece com os demais nove mandamentos do Decálogo, que são explicitamente referidos.

    - Cristo, não satisfeito com aquilo que atrás tinha dito, foi mais além, "Saibam que enquanto o céu e a terra existirem, nem uma letra, nem sequer um acento se hão-de tirar da Lei, sem que tudo se cumpra." (verso18).

    Percebo que você está confundido a Lei Moral com a Lei Cerimonial. A essência do 3º mandamento (no seu caso, trata-se do 4º mandamento) não é basicamente o dia de Sábado (guarda do 7º dia), mas a guarda de um dia da semana para prestar culto regular e externo a Deus. Observe que todos os Dez Mandamentos são regras morais; a exceção poderá ser o 3º (ou 4º, para você), que será meramente cerimonial se for interpretado da sua maneira; isto, por sua vez, quebraria a unidade moral do Decálogo. Logo, a substituição do sábado pelo domingo não contraria de maneira alguma o que Cristo afirmou e que você reproduz acima, já que foi alterado apenas em sentido cerimonial, mas não no sentido moral.

    - Penso, sem qualquer ofensa pessoal, que o que vem imediatamente a seguir lhe diz respeito, senão vejamos: "Por isso, quem desobedecer ainda que seja a um só destes mandamentos mais pequenos e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino do céus. Mas aquele que obedecer à lei e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será tido por grande no Reino dos Céus". (verso 19).

    Como não poderia deixar de ser, a força das palavras de tal citação bíblica é verdadeira. Você deve, portanto, tomar cuidado porque espalha e defende com unhas e dentes a guarda do sábado, sendo que a Igreja Cristã, desde os tempos apostólicos, guarda o domingo. O que mais você defende para os cristãos? Adoração válida somente em Jerusalém? Circuncisão? Jesus foi circuncidado... você foi? Você também executa todas as purificações prescritas no Pentateuco???

    continua

    ResponderExcluir
  6. Vamos lá, amigo anônimo. (PARTE III - continuação)

    - Após a leitura destas passagens ditas pessoalmente por Cristo, chega-se a uma única conclusão: "Cristo não só guardou como cumpriu a Lei e não a alterou!" E sabe porquê? - Porque Deus é infalível não muda - Malaq. 3:6.

    Os conceitos de infalibilidade e mutabilidade não são sinônimos e não se misturam: um nada tem à ver com o outro. Você realmente acredita que Deus não tem soberania para fazer o que quer? Além do mais, Cristo teve que guardar a Lei porque era judeu e, assim, estava sujeito à Lei (mesmo assim, quantas vezes Ele não discutiu - literalmente - com os judeus por causa da guarda do sábado?); porém, com o advento da Nova Aliança, os cristãos não estão mais sujeitos à Lei. Veja-se, p.ex., o caso de São Paulo: ele se submetia à Lei não por dever mas apenas para que pudesse se aproximar dos judeus sem causar escândalo e levar a Palavra de Cristo, conforme lemos em 1Cor 9,19-23. Em Colossenses ele será bem claro: "Portanto, que *ninguém* vos condene pela comida e pela bebida, pelas festas, luas novas ou *sábados*. Tudo isso não é mais do que a sombra do que virá. A realidade é o corpo de Cristo" (Col 2,16). Não resta a menor dúvida de que se referia à Lei da Antiga Aliança; aliás, não há novidade alguma no fato de que São Paulo era o adversário nº 1 do grupo dos cristãos judaizantes (cristãos convertidos do judaismo que defendiam a observância da Lei) e sempre os combateu (v., p.ex., Gál 5,2-5); a Igreja compreendeu o fato e passou a observar o domingo. Foi, porém, necessário aparecer uma "profetisa" chamada Ellen Gould White, em 1847, para ressuscitar - de modo mais "light", é claro - a seita dos cristãos judaizantes... Ainda assim, convém fazer constar que o próprio fundador dessa seita, Willian Miller, jamais guardou o sábado!

    - Esta Lei deve ser guardada como condição para ter a vida eterna. "Bem-aventurados os que guardam os Seus mandamentos, para que tenham direito à àrvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas." (Apoc. 22:14).

    É mais do que claro que o Apóstolo João aqui se refere à Nova Aliança, nos termos como lemos em Gál 6,12-16, isto é, não são as obras da Lei de Moisés que nós, cristãos, devemos cumprir, mas sim a Lei (mandamento) de Cristo. Além disso já vimos que, quanto ao Decálogo, nada foi alterado quanto ao sentido moral, mas somente quanto ao sentido cerimonial, motivo pelo qual sua afirmação não procede.

    - Qual será o dia que irá ser guardado no novo Céu: "Os vossos descendentes e o vosso nome, existirão sempre na minha presença tal como o novo céu e a nova terra que vou criar. É o senhor quem o afirma! Desta maneira, em cada Sábado, todos virão inclinar-se diante de mim, diz o Senhor. (Isaías 66:22,23 - versão PC).

    A sua tradução desse trecho do profeta Isaías está extremamente mal feita; não sei quem foi autor dessa "manobra", mas conseguiu fazer a Bíblia dizer algo que jamais disse. Estou comparando essa citação de Is 66,22-23 com duas Bíblias de Estudo, uma Bíblia católica (Bíblia de Jerusalém; ed. Paulus) e outra protestante (Bíblia Thompson, ed. Vida). Ambas são unânimes em afirmar: "Como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante da minha face - diz o Senhor - assim há de estar a vossa posterioridade e o vosso nome; de uma lua nova à outra, e de um sábado ao outro, virá toda a humanidade a adorar na minha presença - diz o Senhor". Logo, a citação nada tem a ver com a guarda do sábado no novo céu, mas sim com o culto *eterno* prestado pelos adoradores do verdadeiro Deus (por isso se diz: "de uma lua nova à outra, e de um sábado ao outro" e que sua tradução simplesmente omite) em oposição ao castigo também eterno imposto aos Seus inimigos, como se lê no versículo seguinte (Is 66,24): "Eles sairão para ver os cadáveres dos homens que se rebelaram contra Mim, porque o seu verme não morrerá e o seu fogo não apagará: eles serão uma abominação para toda a carne".

    continua

    ResponderExcluir
  7. Vamos lá, amigo anônimo. (PARTE IV - continuação)

    Poderia citar mais umas dezenas de versículos, mas fico-me por aqui.

    Você poderia citar todas as 144 ocorrências do sábado (88 no AT e 56 no NT), mas isso não alteraria em absolutamente nada. São Paulo é claro: o Sábado assim como qualquer outra questão legal do AT é simples *sombra* do que estava para vir, ou seja, o sábado - como vários outros institutos do AT - é apenas figura do domingo; a realidade é Cristo, como vimos mais acima.

    Para finalizar e como penso que você(s) muito sabe(m) sobre versões Bíblicas e história, gostaria de lhe(s) colocar a seguinte questão: - A partir de quando é que a Igreja Católica começou a guardar o Domingo em vez do Sábado?

    Desde o período apostólico, basta ler At 15,1-34: o que é proibido aos cristãos provindos da cultura não-judaica? O versículos 28-29 respondem claramente: "De fato, pareceu bem ao *Espírito Santo e a nós* não vos impor nenhum outro peso além destas coisas *necessárias*: que vos abstenhais das carnes imoladas aos ídolos, do sangue, das carnes sufocadas e das uniões ilegítimas. Fareis bem preservando-vos destas coisas. Passai bem". Cadê a referência à guarda do sábado? Há tempos que já se sabia da existência do confronto entre os cristãos judaizantes e os cristãos gentios, sendo certamente a observância do sábado um dos pontos controvertidos (cf. vers. 5: "impor-lhes a observância da Lei de Moisés").

    Mas por que os Apóstolos, inspirados pelo Divino Espírito Santo, também não acharam necessário obrigar os cristãos gentios a guardarem o sábado? Simples: porque nem mesmo eles estavam ainda observando o sábado para o culto, mas sim o domingo, conforme vemos, p.ex., em At 20,7 e 1Cor 16,2.

    Instruídos pelos Apóstolos, os primeiros cristãos também guardaram o domingo (você não vai querer que eu acredite naquela *estorinha* inventada pela Ellen G. White, de que foi o imperador Constantino que instituiu a observância do domingo aos cristãos no séc. IV, vai?). São testemunhas dessa verdade, entre outras:

    Didaqué (~ 70 dC): "Reunidos cada dia do Senhor, parti o pão e dai graças, depois de terdes confessado os pecados para que o vosso sacrifício seja puro". - Qual é o "dia do Senhor"? Veja At 20,7!

    Santo Inácio de Antioquia (~ 85 dC): "Por isso, os que se criaram na antiga ordem das coisas vieram à novidade da esperança, não guardando o sábado, mas vivendo segundo o domingo, dia em que também amanheceu a nossa vida" (Epístola aos Magnésios, 9).

    Epístola de Barnabé (~ 95 dC): "Portanto, nós guardamos o oitavo dia para O celebrar. Nesse dia, Jesus ressuscitou dos mortos e, depois de se manifestar, subiu aos céus". -continua

    ResponderExcluir
  8. Vamos lá, amigo anônimo. (PARTE V - continuação)

    São Justino Mártir (~ 150 dC): "Mas o domingo é o primeiro dia em que todos celebramos a nossa assembléia comum, porque é o primeiro dia em que Deus, tendo realizado uma mudança nas trevas e na matéria, fez o mundo, e Jesus Cristo, nosso Salvador, foi nesse mesmo dia que ressuscitou dentre os mortos" (1Apologia, 67).

    Repare nos testemunhos acima a harmonia que une firmemente o domingo com a ressurreição de Cristo, que é, de longe, o fato mais importante para toda a humanidade, pois "se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa pregação, e também vã é a vossa fé" (1Cor 15,14).

    Saudações em Cristo. (João Carlos)”

    P.S. - " A prova de que conhecemos a Deus está em cumprirmos os Seus mandamentos. Aquele que disser que conhece a Deus, mas não cumprir os Seus mandamentos, é um mentiroso, uma pessoa que falta à verdade." - Até parece uma passagem do Velho Testamento, mas não é não... 1João 2:3,4.
    Aja então como todos os verdadeiros cristãos: guarde o domingo, dia em que o Senhor nos alcançou a Salvação e reconheça o perigo que você está correndo por não dar ouvidos às palavras apostólicas inspiradas pelo Espírito Santo durante o Concílio Apostólico de Jerusalém (At 15): "[estais] ouvindo alguns que *saíram dentre nós* para vos *perturbar* com palavras que vos *confundem* a alma" (cf. vers. 24). Confie no ensinamento dos Apóstolos (que é exatamente o ensinamento de Jesus Cristo) e não nas [falsas] doutrinas inventadas pela mente da sra. White & Cia.Ltda. Postado por Wilton José às 19:42”
    Recomendo o blog http://wjac.blogspot.com
    Na paz de Cristo - Diác. Narelvi

    ResponderExcluir
  9. Olá, amigos!

    A questão aqui é o vídeo e o que o Pe. Fábio quis dizer.
    Na minha opinião, o vídeo editado dá margem a duas interpretações: a) falava que não precisa mais se guardar o sábado (para ter liberdade para fazer uma coisa errada [guardar o domingo], mas que seria certa, como Jesus fez ou b) que realmente o dia certo de guarda é o domingo.
    Análise dos vídeos:
    1) Vídeo editado: trabalhar no sábado não é certo, mas Jesus trabalhou. Então é certo trabalhar no sábado, por que Jesus mudou radicalmente a forma de interpretar a Lei. E, como o Padre Fábio disse no vídeo editado, "muitas vezes o errado é o certo e o certo é o errado, é uma regra simples, e Jesus viveu. É certo trabalhar no sábado? Não, não é certo trabalhar no sábado, a Lei nos diz que devemos descansar", então corta o vídeo e edita. Nesse vídeo editado, eu interpreto o vídeo como se o Padre Fábio estivesse dizendo que, fazendo uma coisa errada (guardar o domingo), chega-se àquilo que é certo, porque Jesus mudou a forma de interpretar a Lei. A pessoa que editou tentou distorcer o que o padre disse, contudo não é possível se ter certeza de qual seria a afirmação do Padre Fábio, mas confesso que fiquei muito desconfiado desse vídeo, achando que realmente foi manipulado. Então também resolvi ver o vídeo na íntegra, para poder tirar minhas próprias conclusões, e fiquei impressionado com o conteúdo.
    2) Vídeo na íntegra:
    http://www.youtube.com/watch?v=Y5MCGCgnTm4&feature=related

    ResponderExcluir
  10. 2) Vídeo na íntegra:
    http://www.youtube.com/watch?v=Y5MCGCgnTm4&feature=related
    O Padre Fábio parece estar respondendo à pergunta de alguém que quer ser advogado e fala como um criminalista deve proceder ao defender um assassino. Diz também sobre esse assunto por aproximadamente 7 minutos. Então, do nada, ele entra no assunto do sábado, sem nenhum tipo de pergunta de ouvintes e sem necessidade nenhuma de falar sobre esse assunto. Por que será? Vamos ao trecho transcrito sobre o sábado: "Humanizar, eu acho que a palavra é essa, nós precisamos humanizar as nossas relações. Estamos desumanizados demais. Às vezes, às vezes, nos falta essa sensibilidade, de perceber o que é justo, o que é certo, o que é errado. Porque vai chegar o momento e aí você precisa ter muita liberdade interior para poder fazer isso que vou dizer agora. Precisa ter muita liberdade interior para você descobrir que muitas vezes o errado é o certo e o certo é o errado. É uma regra simples, e Jesus viveu. É certo trabalhar no sábado? Não. Não é certo trabalhar no sábado, a Lei nos diz que devemos descansar. Agora, é certo deixar alguém morrer de fome no sábado? Não. Aí o certo é o errado, é a Lei, é a Lei sendo interpretada com a liberdade do coração. Mas só pode chegar a essa interpretação quem tem um coração livre, porque se ele vai se amarrar na Lei e ele não permitir que ninguém alimente o outro que está com fome só por que é sábado... Quantas vezes você já se deparou com situações assim? Por que que não pode? Não pode porque não pode. Falta de liberdade diante da Lei. Às vezes a pessoa está obedecendo a uma regra burra porque não soube ser livre diante dela, ou às vezes nós nos prendemos ao preceito, e não somos capazes de interpretá-lo, porque a gente não é livre. Levar a regra ao pé da letra é sempre perigoso, porque pode ser o cumprimento daquilo que Jesus justamente dizia que não deveria ser feito. E se for analisar, Jesus veio e modificou radicalmente a forma como as pessoas interpretavam a Lei, Ele não baniu a Lei, Ele aperfeiçoou, por quê? Porque concedeu aos livres de coração uma maneira superior de interpretar a Palavra. E muitas vezes o cristão vive aí, por aí, descobrindo que fazer o certo nem sempre é a melhor opção, às vezes é fazendo o errado que você chega a acertar. Precisa ter muita liberdade no coração, porque se não a gente acaba estragando o mundo também, não é fácil. Não interprete mal as minhas palavras porque não é fácil viver assim, mas se você permitir que Jesus se instale no coração, você fique certo que em muitos momentos da sua vida você fará o que é errado e acertará. A Lei diz que não, mas naquele momento você percebe que existe uma necessidade que ultrapassa a Lei. A Lei me diz que não devo trabalhar no sábado, mas você encontra alguém que precisa do seu serviço e aí você descobre que a melhor maneira de obedecer a Deus não é guardando o sábado, mas é se ocupando daquele que precisa de você mesmo sendo sábado."
    E aqui a interpretação, a meu modo de ver, é que se deve guardar o sábado.
    Meu primeiro questionamento:
    Por que o Padre Fábio deu um exemplo do sábado? Um exemplo falando extremamente bem e de uma forma supercorreta de como guardar o sábado?
    Segundo questionamento:
    Introdução ao questionamento: "Por que vai chegar o momento e aí você precisa ter muita liberdade interior para poder fazer isso que vou dizer agora."
    Que momento vai chegar que teremos que nos decidir? O que ele quis dizer com isso?

    E O QUE O PADRE FÁBIO DISSE DEPOIS DE: - "você precisa ter muita liberdade interior para poder fazer isso que vou dizer agora"?
    ESSA DÁ PARA RESPONDER:
    - "É certo trabalhar no sábado? Não. Não é certo trabalhar no sábado, a Lei nos diz que devemos descansar."
    A conclusão que se chega é que, o que vai que momento vai chegar que teremos que nos decidir, é se vamos guardar o sábado ou o demingo.

    Terceira dúvida:
    O que o Padre quis dizer sobre: "Precisa ter muita liberdade interior para você descobrir

    ResponderExcluir
  11. Terceira dúvida:
    O que o Padre quis dizer sobre: "Precisa ter muita liberdade interior para você descobrir que muitas vezes o ERRADO É O CERTO E O CERTO É O ERRADO. É uma regra simples, e Jesus viveu."

    Essa ele explica de forma bem clara no texto: "Agora, é certo deixar alguém morrer de fome no sábado? Não. Aí o CERTO É O ERRADO, é a Lei, é a Lei sendo interpretada com a liberdade do coração. Mas só pode chegar a essa interpretação quem tem um coração livre, porque se ele vai se amarrar na Lei e ele não permitir que ninguém alimente o outro que está com fome só porque é sábado."
    OUTRO EXEMPLO QUE O PADRE DEU DA FORMA CERTA DE GUARDAR O SÁBADO, QUE ESTÁ PERFEITO:
    "se você permitir que Jesus se instale no coração, você fique certo que em muitos momentos da sua vida você fará o que é ERRADO E ACERTARÁ. A Lei diz que não, mas naquele momento você percebe que existe UMA NECESSIDADE que ULTRAPASSA A LEI. A Lei me diz que não devo trabalhar no sábado, mas você encontra alguém que precisa do seu serviço e aí você descobre que a melhor maneira de obedecer a Deus não é guardando o sábado, mas é se ocupando daquele que precisa de você mesmo sendo sábado."

    EU FICO ABISMADO DA FORMA COMO DEUS USA O PADRE, ESTÁ PERFEITA SUA INTERPRETAÇÃO DA GUARDA DO SÁBADO! CLARO QUE A AJUDA AO PRÓXIMO ESTÁ ACIMA DA GUARDA DO SÁBADO, COMO O PRÓPRIO PADRE FALA, JESUS FEZ ISSO...

    OUTRA COLOCAÇÃO, AGORA SOBRE A CITAÇÃO DO DIÁCONO NARELVI:
    "O próprio padre, no final diz: “Não entendam mal as minhas palavras”.
    Quando o padre falou, por exemplo, em “regra burra”, não se referia a lei de Deus, mas a muitas regras humanas que efetivamente são burras e imorais"
    Concordo perfeitamente com a opinião do diácono. Muitas vezes, burras são as formas como as pessoas interpretam a Lei e a aplicam de forma legalista, e como o Padre Fábio disse: Jesus veio para mudar radicalmente essa forma legalista da aplicação da lei, mudar por exemplo a forma legalista como os fariseus aplicavam a guarda do sábado e muitas outras leis. No caso do sábado, como o Padre Fábio disse que Jesus fez, Ele mostrou que era lícito fazer o bem no sábado, como curar.
    Só um último comentário: Se o Padre Fábio empregou um tema do velho testamento, já abolido, como é a questão do sábado, o Padre fez parecer de forma muito clara que o sábado não é coisa do antigo testamento e nem que o dia de domingo substituiu o sábado por iniciativa do próprio Cristo, depois continuado pelos apóstolos que estiveram lado a lado com Jesus e assim continua até hoje. O Padre deixa claro que o sábado deve ser guardado e ainda diz como deve ser guardado.

    ResponderExcluir
  12. Prezado Rodrigo.

    Primeiramente, agradeço pela participação e maneira educada e interessada com que apresentou o seu comentário e as questões.

    Ressalvo que não tenho como explicar o que a consciência do Pe. Fábio quis expressar. A ele caberia responder. Entretanto, posso tentar interpretar à luz da lógica e do próprio texto. Vejamos:

    Você tem razão ao desconfiar do compacto do vídeo. Os textos apresentados no resumo são verdadeiros, porém, maliciosamente retirados do contexto com uma montagem que provoca interpretação equivocada.
    Para mim está claro que quando o Pe. lembrou do sábado, situou-se no AT, e levantou a questão sobre o PODER OU NÃO TRABALHAR no sábado, e não sobre a legalidade do dia de sábado (como dia do Senhor).
    Em termos do AT, O PE. NÃO NEGOU, E A IGREJA CATÓLICA NÃO NEGA, DE QUE UMA DAS LEIS DO PENTATEUCO ERA GUARDAR O SÁBADO. Em nenhum momento o Pe. pretendeu justificar ou explicar sobre o domingo, justamente porque no seu exemplo, o que lhe servia era a condição do sábado (passado) e não do domingo (presente), e assim lhe fora útil para aplicar ao assunto principal – o advogado. Apenas, se podia ou não trabalhar naquele dia, repito.
    Evidente que o Pe. sabe que o sábado (do AT), devia ser guardado. Mas que, isso, em determinadas circunstâncias não impedia o trabalho.
    Assim, na ordem de apresentação dos questionamentos, respondo:

    1º. QUESTIONAMENTO: Entendo que o Pe. deu o exemplo do sábado para o seu consulente, a fim de tentar explicar sobre a atitude do advogado, assim como poderia ter encontrado um outro exemplo qualquer.

    2º QUESTIONAMENTO: Ainda tentando interpretar, muitas vezes somos chamados a tomar uma decisão, só nossa. Existindo regras, o pressuposto é que devem ser obedecidas. Contudo, devemos, de fato, nos sentir livres e suficientemente inteligentes em qualquer circunstância para decidir. Por exemplo: Uma lei permite o aborto, mas a liberdade de consciência diz que não. Logo, mesmo com a permissão da lei, não se pratica o aborto. A lei diz que se deve pagar o imposto de renda. Sou forçado a pagar mesmo contra a minha vontade.
    O momento? Não existe momento marcado. Quando deparar com uma situação que exija o seu discernimento, você perceberá. (Continua)

    ResponderExcluir
  13. (Continuação)
    Guardar o sábado ou o domingo, vai depender do que você ou sua igreja interpreta. Como a Igreja Adventista (imagino que você pertença a ela) prega o dia de sábado como de descanso ou de guarda, tem-se que os seus adeptos devam acompanhar se nela acreditam. Caso contrário, seria o caso de rever o conceito e a opção religiosa.
    Os católicos e logicamente o Pe. Fábio também, e todas as demais religiões cristãs a exceção dos adventistas, estão convictos de que o domingo passou a ser é o dia de descanso, o Dia do Senhor.

    3ª DÚVIDA: Já está respondida. Mas acrescento:

    A LEI DO SÁBADO: não se deve trabalhar no sábado.
    A LEI DO DOMINGO (de Cristo), também não se deve trabalhar no domingo. Isto é o certo. É a lei ou o mandamento. Mas nem por isto deixar-se-á de praticar algumas ações de trabalho nesses dias, se houver necessidade.
    Não esqueça que o Pe. trouxe o assunto do sábado para ajudar na explicação sobre advogado. Em nenhum momento ele aprofundou a tese sobre o porquê do dia de domingo. Aliás, em nenhum momento ele se referiu ao domingo.
    De fato, quem tem Cristo no coração, e o reconhece como o caminho, verdade e vida coerentemente com a Sua Igreja, saberá encontrar a verdade. Mas, diga-se que até para saber se de fato Jesus está de verdade no coração, precisa de uma percepção muito lógica, coerente, e sincera fé, pois que homens e mulheres de crenças cristãs diferentes entre si dizem que Jesus está dentro de seus corações. Será? Eles não pensam diferentemente sobre o mesmo Jesus? Até os piores bandidos e “personalidades” diversas da nossa sociedade, pecadores públicos, também dizem que têm Jesus nos seus corações . . . Não está em MT 7,21 “ NEM TODO AQUELE QUE ME DIZ: SENHOR, SENHOR, ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS, MAS SIM AQUELE QUE FAZ A VONTADE DE MEU PAI QUE ESTÁ NOS CÉUS.”. Mas, deixa pra lá.

    Concordo que Deus usa o Pe. Fabio falar em seu nome, afinal, Jesus o escolheu para ser padre (presbítero) e ele aceitou. Ele tem o Sacramento da Ordem estando assim investido do poder sacerdotal. E quando exemplificou com o sábado, por favor, não confunda com o domingo do Novo Testamento.

    Espero ter ajudado com o meu entendimento. Agradeço mais uma vez e fique com Deus.
    Diác. Narelvi

    ResponderExcluir
  14. bom dia Diácono, Deus em nenhum momento desceu dos céus para abolir a Lei, pois como o próprio jesus falou ele não veio abolir a lei e sim para cumprir,poi como nós sabemos o próprio Deus usou seus dedos para escrever os Dez Mandamentos numa taboa de pedra , para que fosse eterno,então nenhum homem tem o direito de aumentar e nem tirar nada das sagradas escrituras sendo assim o Sábado é o dia Santo não o Domingo.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite, amigo sr. Anônimo.

    Será você o mesmo anônimo de antes ou um outro? Mas não tem problema! Sinta-se a vontade.
    De qualquer forma, a história bíblica e religiosa sobre o sábado e o domingo é uma das mais simples que temos.
    Fico contente porque você está acompanhando o meu blog. Continue e se puder, por favor divulgue.
    Entretanto, o seu comentário já foi suficientemente esclarecido. Quem sabe, uma leitura atenta aos esclarecimentos te ajude.
    De minha parte, você pode continuar guardando o sábado (o que você faz aos domingos?).
    Na paz de Cristo.
    Diác. Narelvi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho comigo que a Biblia é a Palavra de Deus, e que a "Guerra Santa" COmeça quando queremos defender doutrinas...isso não levará a lugar nenhum pois a Salvação não será por obras e sim pela fé mediante a graça apenas isso, Jesus já veio para nos Salvar...o Envangelho é apenas um e eu prefiro apenas segui-lo, certo ou não acho que é este o caminho o resto é papo que não levará a lugar nenhum só a conflitos desnescessários que alegrarão apenas o Inimigo pois é isso que ele quer. Sigo a Religião ( e não seita) IASD ( Igreja Adventista do Sétimo Dia) pois acho que é o caminho mas não aceito crítica assim como não procuro fazer quanto a outras religiões pois acredito que isso não agrade aos Olhos de Deus

      Excluir
  16. Amigo. Vamos lá!
    1. A Bíblia é a Palavra de Deus. Correto.
    2. Você fala que defender doutrinas” não levará a lugar nenhum.
    Como não?
    Veja no dicionário o significado de doutrina: São princípios transmitidos sobre qualquer idéia, inclusive mais empregado nos ensinamentos sobre religião. “São princípios fundamentais de uma crença, sistema ou ciência”.
    Jesus falava em doutrina. Só para dar um exemplo, veja o que está escrito em Mc 1,22 tanto da bíblia católica como protestante: ”Maravilharam-se da sua doutrina, porque ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas”. A bíblia está repleta da expressão “doutrina”.
    Vamos simplificar dizendo que doutrina ou doutrinar significa uma forma de ensinar, de transmitir um conhecimento.
    Você apresenta-se como Adventista do Sétimo Dia. Tenho certeza de que muito possivelmente você não nasceu nessa religião, e nem a adotou por causa da bíblia. Alguém usou da doutrina para te convencer. Você primeiro foi doutrinado e levado para a IASD. Agora segue a Bíblia segundo a doutrina da IASD.
    Quando você teceu o comentário, você passou a doutrinar. A pregação é doutrinária.
    3. Com relação a salvação pela fé e não pelas obras, veja em Perguntas e Respostas sobre o tema.
    4. Realmente Jesus nos concedeu a Salvação. Mas isto não dispensa a ação de cada um na busca dessa Salvação.
    5. Seguir apenas o Evangelho. Exato, em termos. Mas você notou que justamente devido a interpretação aleatória dos Evangelhos e demais livros da Bíblia foi que causou a divisão vergonhosa das religiões cristãs e até entre os protestantes? Ademais, você interpreta o Evangelho certamente sob a orientação de seu pastor. Olha ai a doutrina! E o que te leva a pensar que interpretação do Evangelho segundo a IASD que passou a existir somente no ano de 1831 na Inglaterra, fundada por Willian Miller - embora, contendo interpretações comuns a todas as religiões cristãs – é a que vale???
    6. Discutir sobre religião educadamente não leva a “conflitos”. Aliás, é até necessário. Jesus, no seu tempo, não discutiu e combateu outras crenças??? Creio mesmo que foi uma discussão (no bom sentido) religiosa que te levou para a IASD.
    7. Desculpe-me, mas a IASD é uma seita segundo conceito predominante.
    8. Por ultimo, quem tem convicção defende a sua crença. Quem defende o seu ponto de vista religioso, automaticamente está excluindo de alguma forma as outras religiões. E não se pode dizer que todas estão certas. A simples diversidade entre cristãos demonstra a presença de conflito entre os “irmãos em Cristo”. Quem defende a fé em Nome do senhor Jesus, agrada os olhos de Deus, sim. Rebater a uma crítica já é uma forma de crítica. Afinal, não me leve a mal pelo comentário e quero que você seja feliz na IASD e peço a Deus que um dia retornemos todos ao mesmo rebanho de Cristo.
    Obrigado pela participação. Fique na paz de Cristo

    ResponderExcluir
  17. Não é pq um conceito é predominante, ou seja que muitos a classifiquem assim, que esse conceito seja correto.

    Jesus era peripatético. Uma vez isso foi dito em uma reunião secular, e quase todas as pessoas da sala malharam, dizendo que isso era um sacrilégio, mas não é, era apenas desconhecimento, pois Jesus era peripatético. Peripátetico=pregar caminhando, ao ar livre. Assim, não é pq quase todos dizem uma coisa, que essa coisa seja verdade!

    ResponderExcluir
  18. Gostei de sua colocações, voce provou que sabe tudo da biblia(ou pensa). Então por que defende o dia do Senhor como o domingo? Voce será cobrado por saber a verdade e dizer a mentira (Mateus 5: 19).

    ResponderExcluir
  19. Amigo (ou amiga) anônimo(a).
    Recebo o seu comentário como elogio e fico contente por você gostar das minhas colocações. Passo a responder:
    Não sei tudo sobre a Bíblia, mas sei o suficiente para compreender a vontade de Jesus e manter uma vida cristã equilibrada e coerente, e a segurança de meu Mestre Jesus e da Sua Igreja quando a reflito.
    Defendo o domingo como dia do Senhor porque:
    1º. Sou cristão seguidor de Jesus Cristo e dos Apóstolos;
    2º. Não sou fundamentalista e tenho no Novo Testamento as melhores orientações cristãs;
    3º. Cumpro minha missão como Ministro Ordenado da Igreja Católica, atuando in persona Christi;
    4º. Realmente DOMINGO É O DIA DO SENHOR e as minhas razões você já as conhece das minhas matérias. Sugiro ler também o livro de minha autoria que está no blog.
    Irmão ou irmã, a respeito de Mt 5,19, não tenho medo de cobrança porque Jesus é Deus e veio aperfeiçoar a Lei. Foi Ele quem relativizou o sábado, e os apóstolos e os primeiros cristãos sabiam o que estavam fazendo. Eu também sei!
    Cuidado, pois o que a Bíblia diz também se dirige a você, por isso veja bem “se a luz que há em ti não é treva” (Lc 11,35).
    Espero que você continue aproveitando e comentando sobre as minhas reflexões. Fico-lhe muito agradecido pela consideração.
    Na paz de Cristo.

    ResponderExcluir
  20. Adorei as colocações, muito elucidativas!

    Sobre a verdadeira fé (e não religião);

    FATO 1: Há somente UMA verdade, uma ideia, uma mensagem evangélica;
    FATO 2: Todos somos desejosos de levar a palavra divina a todas as nações, assim como nos pediu Jesus;
    FATO 3: No fim dos tempos será revelado (mostrado, descoberto) se a guarda de um dia específico do dia é motivo de salvação!

    Os adventistas sabem que no fim dos tempos muita coisa irá (ou poderá) acontecer, e isto será prova da verdade que viveram. Caso isso não aconteça e mesmo assim o fim se aproximar sem tais sinais, ele terá a prova de que sua fé foi em vão, ou vice-versa.

    O Fato mais importante de todos é nos ocupar de nossa salvação, pregar o evangelho a toda nação e cumprir aquilo que temos como verdade. Seremos somente julgados por aquilo que conhecemos.

    EU busco a verdade, não quero convencer ninguém, se Deus colocar alguém no meu caminho interessado naquilo que creio eu dividirei minha fé com alegria. Do contrário acho que minha vida já dá muito trabalho para ser verdadeiramente convertida e suave à Deus!

    Eu digo a vocês irmãos, que toda conversa que leve a um entendimento e reflexão é agradável e Deus se alegra dos corações que buscam sua verdade, porém encontrar quem tem razão não salvará ninguém!

    Com toda sinceridade do meu coração, os dois tem bons argumentos em defesa tanto ao domingo, quanto ao sábado. Deus é tão perfeito que até nisso nos fez dependentes Dele. Razão não explica DEus e fé, bem sabem disso. É preciso o grande auxiliador para abrir o coração daquele que deseja, embora seja muito sacrificante a si mesmo, enxergar a verdade (eu mesma passei por isso). Mas veja, esta verdade é revelada, não é lida, pensada, alcançada humanamente. A Bíblia transcende épocas e por isso é facilmente compreendida errada, ou interpretada erroneamente. Sua mensagem é UMA com certeza, mas só o Espírito Santo poderá revelar qual caminho devemos tomar!

    Paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pamela. Bom dia.
      Desculpe a demora em publicar a sua participação.
      Obrigado. Bom domingo.
      Na paz de Cristo
      diac. Narelvi

      Excluir
  21. No sexto parágrafo você diz:

    "O dia de domingo substituiu o sábado por iniciativa do próprio Cristo..."

    Você pode citar pra mim, por favor, onde NA BÍBLIA tem esse relato?

    Eu gostaria muito de comparar os seus argumentos com as passagens do Novo Testamento, já que você defende tanto ele...

    ResponderExcluir
  22. Prezado anônimo.

    Não somente eu, mas todas as religiões cristãs à exceção dos Adventistas defendem o domingo como o Dia do Senhor. E como somos cristãos e apostólicos, continuamos defendendo o domingo, embora não tenhamos nenhum aborrecimento com o sábado.
    Naturalmente, e você deve saber, que não existe na bíblia nenhum versículo que expressamente dite como forma de decreto, que o domingo substituiu o sábado.
    No meu trabalho e com aproveitamento de outros mestres melhores que eu, está justificado que o sábado antigo cedeu espaço para o domingo.
    E que Jesus foi o primeiro a relativizar o sábado e por causa dele e da ressurreição o domingo passou a ser adotado em seu lugar, é indiscutível.
    Os apóstolos já guardavam e celebravam a Eucaristia nos domingos. Estariam eles errados???
    Uma leitura atenta ao que já está exposto permitirá compreender bem a respeito, não sendo mais necessário repetir tudo novamente.
    Mas mesmo assim, reproduzo uma explicação inteligente e convincente a respeito, do site http://beinbetter.wordpress.com/documentos/mentiras-adventistas/ sob o título MENTIRAS ADVENTISTAS, por Everth Queiroz Oliveira:
    “Já faz algum tempo que conheço o blog “Adventismo em foco”. Inimigo incondicional da Igreja Católica, o Alexandro é mais um daqueles que acham que o sistema papal é o Anticristo. Afinal, ele faz parte da seita chamada igreja Adventista do Sétimo dia. Assim como toda “boa” comunidade protestante, condena o culto de veneração aos santos, condena a admiração dos católicos pela Virgem Maria, condena a interpretação da Bíblia por meio do Sagrado Magistério, além de defender que devemos guardar o sábado e não o domingo. Depois de uma análise tanto quanto superficial do adventismo, gostaria de comentar um artigo escrito pelo próprio Alexandro no seu blog, chamado “Resumo dos Ataques Papais contra Deus”.
    1) Deus requer a santificação do sábado (cf. Ex 20,8-11). O papado santificou o domingo.
    Deus, a partir da Nova Aliança, inaugurada com a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, requer não mais a santificação do sábado, mas do domingo. Não foi o papado que começou a santificar o domingo, mas os próprios apóstolos, depois da ascensão de Jesus Cristo, começaram a realizar a fração do pão no “primeiro dia da semana” (cf. At 20,7). A Antiga Lei, com a vinda de Jesus Cristo, não foi abolida, mas aperfeiçoada. Diz Jesus: “Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição” (Mt 5,17). Portanto, a Antiga Lei era imperfeita. Isso é indiscutível. O próprio autor da Carta aos Hebreus o confessa: “Se a primeira [aliança] tivesse sido sem defeito, certamente não haveria lugar para outra” (Hb 8,7).
    A tradição judaica de fato pede que se guarde o sábado, mas a Igreja cristã, instituída por Jesus Cristo e consolidada pelos apóstolos guarda o domingo, pois foi nesse dia que Jesus havia ressuscitado. Barnabé, em seu Evangelho apócrifo, revela: “[N]ão são os sábados atuais que me agradam, mas aquele que eu fiz e no qual, depois de ter levado todas as coisas ao repouso, farei o início do oitavo dia, isto é, o começo de outro mundo. Eis por que celebramos como festa alegre o oitavo dia, no qual Jesus ressuscitou dos mortos e, depois de se manifestar, subiu aos céus” (15). E Jesus Cristo, em um discurso seu sobre o dia de domingo, que não está contido nos evangelhos, mas nos livros apócrifos, diz: “Feliz aquele que observou o santo dia do domingo”.
    Espero tê-lo ajudado com mais este reforço.

    ResponderExcluir
  23. Boa noite Narelvi, essa questão do mandamento do Sábado e interessante mas uma coisa sempre me incomodou foi o mandamento que fala em não fazer estatuas e adoralas, esculturas de santos e santas. Se somente Deus é digno de adoração e o próprio Jesus fala que ele é o caminho a verdade e a vida que ninguém vai ao Pai sem ser por Ele, não tem explicação todo esse tipo de idolatria que já fiz por um ensino errôneo. Outra coisa, padre perdoar pecados em nome de Deus,não tem fundamento, a palavra fala em confessar nossos pecados uns aos outros e fala sobre o perdão, mas é o perdão pedido a pessoa que sofreu e não para o padre pois assim fica fácil. Outra coisa ,um padre não pode casar, da onde isso , ele é um ser humano e Deus fez homem e mulher com uma função, multiplicar, se fosse da vontade de Deus , não teríamos tantos problemas com pedofilia e padres com mulheres e filhos na comunidade em que trabalham.O purgatório é uma fraude criada para tirar dinheiro das pessoas, uma coisa que feriu a Igreja Católica na época de Lutero, mas que ainda continua em prática, mas se a palavra de Deus nos fala que a morte é como um sono e que os mortos nada sabem ? Porque fazer tanto alarde com os adventistas que defendem uma coisa que está na palavra? Pois antes tente tirar todas estas traves dos olhos pois não estão te deixando enxergar. Já vivi o catolicismo sincero como Deus tem os sinceros as ovelhas em outro apriscos e hoje ele diz sai dela povo meu.Pense nisso, não foi por um acaso que entrei nesta página hoje. Que Deus ilumine teus pensamentos

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Estimado Sr. 7 de setembro em Nova Santa Rita (já começamos com uma santa).
    Boa noite. Você me deu prazeroso trabalho para responder. Por isso, por favor, leia tudo.
    Primeiramente, devo corrigir que não falo como Narelvi, mas como Diácono Narelvi, não como honraria, mas como autorizado por Jesus a falar in persona Christi. Pelo Sacramento da Ordem recebi um sinal (caráter) que ninguém tem o poder de apagar e que me configura a Cristo como seu servidor.
    Vamos dividir os seus conflitos.
    1º. A questão do sábado.
    Resposta:
    Se você leu no meu blog inteiramente tudo o que se disse sobre o sábado e achou interessante, ótimo, porque tudo ali é bem claro e só não convence os teimosos, os que estão na contramão do cristianismo.

    ResponderExcluir
  29. 2º. Uma coisa sempre me incomodou foi o mandamento que fala em não fazer estatuas e adorá-las, esculturas de santos e santas. Se somente Deus é digno de adoração e o próprio Jesus fala que ele é o caminho a verdade e a vida que ninguém vai ao Pai sem ser por Ele, não tem explicação todo esse tipo de idolatria que já fiz por um ensino errôneo.
    Resposta: Quanto ao que você disse “somente Deus é digno de adoração e o próprio Jesus fala que ele é o caminho a verdade e a vida que ninguém vai ao Pai sem ser por Ele”, C e r t í s s i m o ! Mas o que tem isso a ver com as imagens???
    Bem!
    Você está encantado e sendo fundamentalista com o que está em Ex 20, 4-6: "Não terás outros deuses além de mim! Não farás para ti imagem, com semelhança alguma... não te inclinarás diante desses deuses e não os servirás..." (Ex 20,3-6).
    Retroaja, irmão, ao tempo em que isso foi ditado. “No Egito, na "casa da escravidão", a religião dos deuses era usada para reforçar o sistema e o poder do faraó. Ele fazia grandes estátuas e templos para impressionar o povo e mandava que o povo dobrasse os joelhos diante dele próprio, como se fosse um deus”.
    E o bezerro de ouro? Foi construído para ser adorado como deus.
    Desculpe-me, mas sabe porque os protestantes continuam insistindo nesta tecla da imagem? Por é assim que eles conquistam mais facilmente os religiosos fracos na fé.
    O mandamento foi necessário para educar o povo de que existe um único Deus, e que somente a ele será prestado culto. Ou você pensa que não sabemos disso?
    A proibição começa assim: “Não terás outros deuses diante de mim”
    Ora, qualquer pessoa de bom senso mesmo que pouco preparado é capaz de entender que o que Deus não quer é que se faça escultura (imagem, figura ou equivalentes) para substituírem Deus, isto é, para que não sejam adoradas como deuses. A complementação do versículo como prostrar-se diante dela, é uma contingência.
    Se você fizer uma imagem, figura, escultura, ou qualquer objeto com o propósito de tê-los como deus, prostrar-se diante dela, adorá-la, evidentemente que é pecado gravíssimo. E quem não sabe disso??? Ou é só você quem sabe!
    Se você obtiver, fabricar, esculpir (obras artísticas), a figura de alguma coisa ou de alguém como recordação, homenagem, convicto de que não se trata de Deus, isso não está incluído na proibição. Tanto faz ser uma escultura de um historiador, de um jogador de futebol, de uma baleia, ou de Santo Antonio, Nossa Senhora, ou do próprio Jesus Cristo, não é pecado, afirmo-vos com toda a certeza do mundo. O que você me diz da fotografia que você tem e guarda de sua família, amigos, esposa, namorada .... É pecado???
    Irmão não peque pelo exagero. Eu sou capaz de me ajoelhar diante de minha esposa e dizer-lhe, “Te amo. Te adoro”. E daí, se a minha intenção é apenas de manifestar o quanto gosto dela ou respeito seja lá o que for da linha das “imagens” sem confundir com Deus?
    Deus não proíbe que se faça ou fabrique imagens. Ele mesmo mandou fazer algumas como a serpente no poste, os Querubins, etc.
    Você diz que praticou idolatria por um ensino errôneo. Amigo, você esta equivocado ou entendeu tudo errado pois que a Igreja Católica nunca ensinou ou pregou a idolatria.

    ResponderExcluir
  30. 3º. Outra coisa, padre perdoar pecados em nome de Deus, não tem fundamento, a palavra fala em confessar nossos pecados uns aos outros e fala sobre o perdão, mas é o perdão pedido a pessoa que sofreu e não para o padre pois assim fica fácil.
    Resposta: Primeiro, quem perdoa os pecados é Deus, e não o padre e assim mesmo dependendo da sinceridade do arrependimento do penitente. O padre (presbítero) é apenas um instrumento de Jesus legitimamente constituído pelo Sacramento da Ordem e em obediência ao que diz em Jo 20,22-23: "Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, lhe serão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos". E agora? Quer dizer que no caso das imagens vale tudo o que está no versículo, mas para o perdão dos pecados, não? Aliás, como você disse que já foi católico, deve já ter-se confessado. E então deve ter escutado do padre: “E eu te absolvo em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”. Veja, o perdão não é seu nome, mas em nome da Trindade.
    Quanto a confessar os pecados uns aos outros, não significa que você fique trocando confidencias de arrependimentos a pessoas não envolvidas com seus pecados, como se, por exemplo, você se encontrasse comigo e dissesse, quero confessar pra você e você confessa pra mim. Imaginou o pandemônio que criaria? Agora, procurar o ofensor de você, ou o que foi por você ofendido para pedir perdão, é condição sine quo non para se estabelecer o nível do arrependimento.
    Contudo, essa forma de perdão ou desculpa resolve a questão entre ambos, mas não supre a necessidade do perdão de Deus pela confissão auricular. Agora, existem outras formas de confissão válidas, mas exige mais tempo para exposição.

    ResponderExcluir
  31. 4º. Outra coisa, um padre não pode casar, da onde isso , ele é um ser humano e Deus fez homem e mulher com uma função, multiplicar, se fosse da vontade de Deus , não teríamos tantos problemas com pedofilia e padres com mulheres e filhos na comunidade em que trabalham.
    Resposta: Para que você fosse mais justo, deveria acrescentar dentre os pedófilos um numero imenso de “pastores”. É só você pesquisar na internet ou prestar atenção no seu reduto. Ademais, os padres pedófilos são infinitamente menos em numero do que os próprios familiares que praticam pedofilia dentro de casa. Também recomendo: se você conhece algum, denuncie à policia ou cale-se.
    Fica difícil falar sem conhecer você sobre mulheres e filhos avulsos. Isto me permite dizer que padres com mulheres e filhos (é você quem diz, deve conhecer, e obrigação de denunciar ao bispo) é uma desobediência pecaminosa, sim, mas não de impossível solução porque esses poderão pedir dispensa do sacerdócio, casarem, e pronto, tudo estará resolvido!
    Porém, muito mais desastroso será quanto maridos e mulheres casados traírem uns aos outros, e tiverem filhos fora do casamento, sem solução prática que nem o divórcio resolve.
    Deixando pra lá essa questão sexual, vamos ao celibato sacerdotal.
    Primeiramente, não se trata de preceito bíblico, mas de simples deliberação da Igreja que depois de alguns séculos resolveu ordenar padre, somente pessoas celibatárias. De um momento para outro, basta o Papa querer, e padres casados poderão ser ordenados. Se você não sabe, eu sou diácono, recebi o mesmo Sacramento da Ordem do padre e do bispo, com função diferente, apenas, e sou casado.
    Ademais, como o celibato é para padres, o assunto deve interessar somente aos que aspiram a vocação sacerdotal. Será o seu caso? Não? Então não se deixe preocupar com esse assunto. A Igreja Católica é de instituição divina, por isso sabe o que faz. Ninguém é obrigado a ser padre, e se a vocação maior for para o casamento, então case-se e não seja padre.

    ResponderExcluir
  32. 5º. O purgatório é uma fraude criada para tirar dinheiro das pessoas, uma coisa que feriu a Igreja Católica na época de Lutero, mas que ainda continua em prática, mas se a palavra de Deus nos fala que a morte é como um sono e que os mortos nada sabem.
    Resposta: Credo, que entortada você deu. Quem te falou do purgatório desse jeito?
    Você citou Lutero. Sabia que ele era padre, o que dá para a Igreja Católica a garantia da anterioridade?
    A existência do purgatório não está bem explicita na bíblia, mas já constituía numa crença deste o AT. Encontra citação, por exemplo, nos livros de Macabeus que recomenda orar pelos mortos, como uma condição salutar. Esse livro não está na bíblia protestante porque foi retirado por Lutero, mas existem varias passagens bíblicas que indicam a existência do purgatório.
    O assunto é longo e como você encontrara explicações aqui mesmo no blog, darei as dicas mais adiante. Mas asseguro que nada tinha e não tem a ver com dinheiro e você verá que o purgatório é de fato uma necessidade.
    Vamos esclarecer, também, que a morte pode ser como um sono, mas não é sono. A idéia de que com a morte a alma fica adormecida até o Juízo Final, é errada. O que se pode considerar adormecido com a morte é o corpo que ressuscitará no Juízo Final, pois a alma sendo imortal, não morre nem dorme e logo após a morte é apresentada diante de Deus para o julgamento particular.
    Para os que pensam assim é uma pena imaginar um céu vazio com Deus lá, sozinho, enquanto que os justos, prontos para a gloria celeste, estão no cemitério, dormindo, esperando o que?
    Irmãos, as almas dos mortos vivem, sim, estão ou no céu ou no inferno e acompanham nossas vidas. Nós sim, não podemos “ver” as almas, mas nos comunicamos com elas pela oração.

    ResponderExcluir
  33. 6º. Porque fazer tanto alarde com os adventistas que defendem uma coisa que está na palavra?
    Resposta: Por que você faz tanto alarde contra a verdade ensinada pela Igreja Católica, única e verdadeira criada por Jesus? Nós também não defendemos o que “está na Palavra?”
    Os adventistas que vivam a fé deles, mas sempre que somos questionados por eles principalmente sobre o sábado, a resposta deve ser dada assim como estou fazendo agora, por uma provocação sua.

    ResponderExcluir
  34. 7º. Pois antes tente tirar todas estas traves dos olhos pois não estão te deixando enxergar. Já vivi o catolicismo sincero como Deus tem os sinceros as ovelhas em outro apriscos e hoje ele diz sai dela povo meu. Pense nisso, não foi por um acaso que entrei nesta página hoje.
    Resposta: “Hipócrita, tira primeiro as traves do teu olho”, é assim que está em Mt7,3-5; Lc 6,41-41, serve pra você também.
    Você disse que já viveu o catolicismo sincero. Logo, não vive mais. Então, desculpe-me, não foi tão sincero assim e agora, como a opção foi sua e livre, Deus será o juiz que ira te julgar caso você não retorne.
    Existem sinceros em outros apriscos? Sim! Como existem entre os espíritas, budistas, muçulmanos, e tantas outras crenças.
    Não entendi o “sai dela povo meu”, mas posso emprestar as palavras de Pedro para responder à pergunta de Jesus: «Vós também vos quereis ir embora?» Simão Pedro respondeu: «Para quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6, 67,68).
    Creio que você entrou na minha pagina porque um dia você certamente foi batizado, crismado, fez primeira comunhão, enfim, conheceu a verdade, e Jesus pode estar querendo que você aproveite das minhas lições como diácono e amigo para refletir e quem sabe, voltar à Casa do Pai. O Bom Pastor Jesus está procurando você para traze-lo de volta.

    ResponderExcluir
  35. 8º. Conclusão. Como você vê, as suas indagações exigem respostas extensas, impossíveis de serem atendidas aqui. Por isso recomendo leituras na Bíblia, sim, mas também de outros documentos instrutivos.
    Agora, mais perto de você, estão as matérias do blog e observe na pagina principal a capa de meu livro “Conhecer para não ceder aos atrativos protestantes”. É só clicar em cima e aparecerá o livro todo. Procure no índice sobre purgatório e imagens e, por favor, leia com atenção.
    Consulte ainda no blog: “O caso do Pastor e a imagem de Nossa Senhora”, no assunto POR FALAR NISSO, e “Carta resposta do Pe. Zezinho a um jovem protestante”, no assunto COLUNA PARA TEMAS INTERESSANTES - OUTRAS FONTES.
    Fique com Deus.
    Com Jesus e Maria.
    Diac. Narelvi

    ResponderExcluir
  36. Não Julgueis que vim abolir a lei... vim para cumprir.
    Deus é Deus, não precisou se séculos para criar o mundo e tudo o que nele há, Ele precisou de 6 dias, por que tudo foi feito por Sua palavra, e descansou sim no Sétimo Dia, o Sábado do Senhor Teu Deus, e quando a bíblia fala em seis dias ela está se referindo à dias literais. Eu não conheço e adoro um Deus que escreveu com seu próprio dedo numa tábua de pedra, que para quem conhece bem a história sabe que tudo que tinha que perpetuar era de costume na época escrever em pedra, não se apagaria com o tempo, que mais tarde viria e mudaria sob a justificativa de estar aprimorando aquilo que havia colocado como LEI.
    Quanta à citação do Pe. Fábio, não sei qual a intenção de ter dito, não vem ao caso, acho que o sr deveria ler o livro de Daniel, buscasse entender o que Jesus quis dizer ali. Peça para que Deus lhe dê sabedoria ao ler esse livro, o sr vai descobrir o porquê da mudança do dia de guarda para o domino, mas não foi feita por Deus e sim pelo papa da igreja católica.Daniel 8:19 a 26(Mudaria os tempos e a lei – o sábado da lei de Deus seria alterado por um outro dia de guarda, em obediência total ao poder do chifre pequeno. )pesquise e descubra quem a bíblia se referia ao falar do chifre pequeno.

    ResponderExcluir
  37. caro DIACONO NARELVI gostaria que respondesse pra mim o porque da mudança do nome da igreja e se tem algum respaldo biblico,
    outra duvida minha o que é alma e se ela morre,é certo comunicar-se com ele

    ResponderExcluir
  38. Irmão ou irmã anônimo(a). As respostas vão em partes devido o numero de caracteres.
    1. NOME DA IGREJA:- Afirmamos que Jesus é o fundador da Igreja Católica porque ela tem sua origem nos Apóstolos.
    Como você sabe, Jesus iniciou a sua missão escolhendo doze apóstolos e neles confiou a continuidade, sob a chefia de Pedro que mais tarde foi chamado de Papa (o primeiro).
    Assim, a Igreja de Cristo no inicio não tinha nenhuma denominação especial e os seguidores eram conhecidos e chamados simplesmente de CRISTÃOS. Então havia somente um grupo de cristãos que seguia as orientações dos bispos auxiliados pelos presbíteros (padres) e diáconos. Isso continuou até o ano de 1517 (século XVI) quando um padre (ou monge) chamado Martinho Lutero revoltou-se contra o Papa e provocou o chamado movimento REFORMA PROTESTANTE causando uma ruptura na Igreja.
    Os que seguiram LUTERO passaram a se chamar de PROTESTANTES, enquanto que a Igreja primitiva, cristã, passou a se chamar de IGREJA CATÓLICA, APOSTÓLICA ROMANA.
    Católica porque o alcance na igreja é universal. Apostólica porque é sucessora dos Apóstolos, e Romana porque sua sede era Roma.
    Por isso dizemos que a Igreja Católica foi fundada por Jesus, e é a verdadeira, enquanto que a Protestante que deu origem a diversas denominações que no Brasil passaram a ser conhecidas pelos substantivos “Evangélicos” ou “Crentes”, foi fundada por Martinho Lutero, um padre. Nós católicos também somos evangélicos e crentes (adjetivos) em razão do seguimento do evangelho e porque cremos em Deus e no que a Igreja ensina.
    Portanto, na Bíblia não se encontra nada que diga como deve ser o nome de uma religião cristã principalmente porque não se esperava que houvesse a divisão.

    ResponderExcluir

  39. 2. ALMA:- Não encontrei uma definição exata sobre “o que é alma”, mas explicações que nos fazem compreender.
    O homem é dotado de CORPO e ALMA. O corpo é material e a alma é espiritual e juntos formam uma única matéria, o corpo. O corpo é resultado da matéria por isso facilmente o reconhecemos, pois é um ser visível, palpável, enxergamos seu contorno, seu cheiro, sua forma, sua dimensão ...
    Alma é algo que existe, tem vida, principalmente inteligência e vontade, mas que não vemos, não sentimos, e ultrapassa o limite da matéria.
    A alma é o principio vital que anima os seres vivos, a essência imaterial da vida humana. É a alma (espírito) imortal e inteligente em nosso corpo que nos faz participar da dignidade de imagem de Deus que é Espírito .
    O corpo material surge na fecundação (homem/mulher) e se desenvolve até morrer. Com a morte o corpo deixa de existir. Antes da morte a alma não se separa do corpo.
    A alma não morre por isso ela é IMORTAL. Ensina o Catecismo da Igreja Católica que “A alma espiritual não vem dos pais, mas é criada diretamente por Deus e é imortal. Separando-se do corpo no momento da morte, ela não perece; voltará a unir-se novamente ao corpo, no momento da ressurreição final”.
    “Alma é o motor que anima o ser vivente”, por isso que corpo e alma coexistem. A morte do corpo registra o momento em que a alma imortal se separa. O corpo vai para a sepultura e alma retorna para Deus e assim permanecerá até quando ocorrer a ressurreição dos corpos (ou dos mortos) quando o mesmo corpo (glorificado) se reunirá à mesma alma.
    Portanto, o homem e a mulher geram o ser humano filho, e no mesmo instante da fecundação Deus cria para essa pessoa uma alma personalíssima e dentro da alma está abrigado o espírito. Por isso se diz que alma e espírito é a mesma coisa, uma esta integrada ao outro.
    Dentro do corpo visível está a alma invisível, e dentro da alma invisível está o espírito invisível.
    Irmão anônimo. O importante é você estar convencido de que tem dentro de si uma alma que é imortal. E que essa alma se desprenderá do corpo no instante da morte e se apresentará diante de Deus para receber a sua recompensa.
    3. COMUNICAÇÃO COM AS ALMAS:- Podemos sim, nos comunicar com as almas. Chamamos a isso de comunhão dos santos. A nossa comunicação com as almas se dá pela oração. Nós não a vemos, mas elas (santos) nos vêem, mas não aparecem a não ser que Deus por alguma razão sua queira.

    Irmão anônimo. Ficou longo, mas espero que você tenha tido paciência para ler. Continuo à sua disposição.
    Fique com Deus.
    Diac. Narelvi

    ResponderExcluir